luns, 21 de marzo de 2016

Revelarse.

Não há mais sublime sedução do que saber esperar alguém.

Compor o corpo, os objectos em sua função, sejam eles

A boca, os olhos, ou os lábios. Treinar-se a respirar
Florescentemente. Sorrir pelo ângulo da malícia.
Aspergir de solução libidinal os corredores e a porta.
Velar as janelas com um suspiro próprio. Conceder
Às cortinas o dom de sombrear. Pegar então num
Objecto contundente e amaciá-lo com a cor. Rasgar
Num livro uma página estrategicamente aberta.
Entregar-se a espaços vacilantes. Ficar na dureza
Firme. Conter. Arrancar ao meu sexo de ler a palavra
Que te quer. Soprá-la para dentro de ti -------------------
----------------------------- até que a dor alegre recomece.





maria gabriela llansol



Revelarse é a única maneira de liberarse
Revelarse é parar o tempo no sorriso
Revelarse é tratar de que o amor non morra
Revelarse para mudar as formas
Revelarse para des-pensarnos
Para des-coñecernos
Revelarnos para procurarnos en calquer lugar
Revelarnos cos nosos corpos
coa voz
Porque pasaron anos pero Shakespeare podía estar aquí 
queixándose
E as guerras arrasárono todo
Unha tras outra
Só quedou a fartura do silencio
E pasaron mil anos
E revelarnos é nosa salvación

Salvación: depresa!

martes, 8 de marzo de 2016

A morte é nosa.

A morte, só existe para nós, nunca para os que están mortos. É coma unha escuridade sen límites. E non hai nada despois diso, nin antes, da vida. Nada. Pero as estrelas tamén morren. E ninguén, ninguén arroxa a vida ao baleiro sen máis, ten que doer. Porque temos dereito a ser felices, a vivir morrendo, porque a morte é nosa. E eu, morro nos teus ollos.
Jacek Yerka

Licencia Creative Commons